terça-feira, 13 de setembro de 2011

Hoje eu quero...‏


...eu quero estar com você
te olhar sem parar
sentindo teu corpo vibrar
sei que não me dás a minima
nem mesmo me ouves
quero esquecer daquilo que passou
e viver este instante, agora...
Mas meus querer é mais
quero te beijar a boca
desfazer-te das tuas roupas
e sussurrar loucuras
bem baixinho mesmo...
pra você sentir meus labios
tocando suavemente teu pescoço
E minhas mãos deslizando
percorrendo tuas curvas...
Eu simplesmente quero você...
fechando meus olhos
e sentindo teu corpo fundindo-te
intenso, profano e sem medo
Vem conforta-te na minha cama
vamos nos amar infinitamente
Eu quero rolar contigo
saborear teus fluídos
numa noite inteira de amor!
(Fouquet, 2 de setembro de 2011)

quarta-feira, 7 de setembro de 2011

ACONCHEGO DE MIM...


"Hoje, superei meu abandono e
transformei-me em uma re-invenção de mim.
Não procuro mais onde viver,
realizei meu sonho: sou casa própria.
Estou sempre em obras e aberto a visitas.
Uma moradia sólida,
espaçosa e um hospedeiro insaciável:
abrigo mais do que fui capaz de ser,
sou muito mais do que já fui capaz de abrigar."
(Fernando Palma, escritor brasileiro contemporâneo)

SABER VIVER...

"Não sei... Se a vida é curta
Ou longa demais pra nós,
Mas sei que nada do que vivemos
Tem sentido, se não tocamos o coração das pessoas.
Muitas vezes basta ser:
Colo que acolhe,
Braço que envolve,
Palavra que conforta,
Silêncio que respeita,
Alegria que contagia,
Lágrima que corre,
Olhar que acaricia,
Desejo que sacia,
Amor que promove.
E isso não é coisa de outro mundo,
É o que dá sentido à vida.
É o que faz com que ela
Não seja nem curta,
Nem longa demais,
Mas que seja intensa,
Verdadeira, pura... Enquanto durar."
(Cora Coralina)

quinta-feira, 1 de setembro de 2011

"Eu quis tanto ser a tua paz, quis tanto que você fosse o meu encontro. Quis tanto dar, tanto receber. Quis precisar, sem exigências. E sem solicitações, aceitar o que me era dado. Sem ir além, compreende? Não queria pedir mais do que você tinha, assim como eu não daria mais do que dispunha, por limitação humana. Mas o que tinha, era seu. "
(Caio Fernando Abreu)
 Vou te pedir que fique. Mesmo que o futuro seja de incertezas, mesmo que não haja nada duradouro prescrito pra gente. Esse é um pedido egoísta, porque na verdade eu sei que se nada der realmente certo, vou ficar sem chão. Mas por outro lado, posso te fazer feliz também. É um risco. Eu pulo, se você me der a mão.
( Caio Fernando Abreu)

O que você achou do novo visual?