sábado, 26 de março de 2011

Sofrimento, Retrato Despido


Nú...
e despido de qualquer olhar,
é assim que me sinto
dominado pelo medo
pelo excesso de solidão
Meu corpo frio e inanimado
implora aos céus
que tenha seu perdão
pois amava sua imagem
aquela que era refletida no espelho
na estampa da vida verdadeira
Escondido...transparente...
é assim que me sinto muitas vezes
como se fosse apenas um quadro
ou qualquer adorno e enfeite
duma sala qualquer em algum lugar
Sou peça rara
obra de arte da vida
escritos de um poeta que ama
que transforma palavras simples
em versos profundos
Sou ser humano...
que ama...que sente...
que chama...que clama
por um momento único da vida
uma nova chance...
para encontrar o sentido da vida
um amor...o mais puro dos sentidos
para a vida eterna
Meus sonhos parecem utopia
minha vontade tem ares futilidade
Me sinto nú...
inanimado...sem sonhos
sem ao menos uma vida
Me sinto pobre
um verdadeiro herege
repleto de ilusões
sem pensamentos ou vida.

(Fouquet)

quarta-feira, 23 de março de 2011

POEMAS DA NOITE

Já chorei vendo fotos e ouvindo musica;
Já liguei só para ouvir uma voz;
Me apaixonei por um sorriso;
Já pensei que fosse morrer de saudade;
E tive medo de perder alguem especial... (e acabei perdendo)
Já pulei e gritei de tanta felicidade;
Já vivi de amor e fiz muitas juras eternas... "quebrei a cara muitas vezes!"
Já abracei para proteger;
Já dei risadas quando não podia;
Já fiz amigos eternos;
Amei e fui amado;
Mas tambem já fui rejeitado;
Fui amado e não amei...
(CHARLES CHAPLIN)

quinta-feira, 17 de março de 2011

Lê-me, por favor!!!


Eu te peço apenas uma coisa
pare poucos instantes
faça uma leitura rápida
como se eu fosse um livro
um daquele best sellers cheios de histórias
Lê a capa cuidadosamente
vire a próxima...e a seguinte...
entenda o que diz no prefácio
assim me conhecerá por inteiro
cada pagina...cada palavra...
Cheira-me com o mesmo desejo
é bem assim como se cheira o papel novo,
toca-me com suavidade
e folheia-me a cada dia,
como se eu fosse o primeiro
o primeiro livro da tua existência
Meu livro ainda tem páginas...
espaços em branco...
para que possa completar
a minha história até o fim dos dias
Mas permito, que faças parte...
que escrevas algumas páginas...
que sabe você não escreve capítulos
e ilustre minha vida...
Te peço ainda, nunca me feches,
guarda-me junto a ti para me leres
me folheares nas horas boas
e nos momentos ruins também.
Abre o meu sorriso
e inunda-te com a minha vida
podes chorar outras vezes
bebes as minhas palavras
Minha vida é esta...
sou um livro aberto sempre
tudo o que sinto, transpiro
transformo em meus escritos
uns lêem outros somente folheam
Mas espero profundamente
que leias meu passado...meu presente
e quem sabe possamos redigir juntos
o nosso novo e eterno futuro!
(Fouquet  )

O que você achou do novo visual?